Empreendedorismo social: entenda como funciona

Tempo de leitura: 4 minutos

O século XXI se iniciou com uma série de desafios para as novas gerações: as consequências do aquecimento global dividem espaço com a busca para garantir qualidade de vida a bilhões de pessoas em todo o mundo. Por isso, projetos que causam impactos positivos na sociedade têm sido cada vez mais valorizados. Nesse cenário, destaca-se o empreendedorismo social.

Se você quer deixar um legado para a sua comunidade, este artigo é para você! Acompanhe!

O que é empreendedorismo social?

O empreendedorismo social pode ser definido como o processo de procura e implementação de soluções sustentáveis e inovadoras para problemas negligenciados na sociedade. O resultado desejável para esse processo é a inovação social, que cria respostas efetivas para o problema em questão.

Soluções sustentáveis não são apenas aquelas amigáveis ao meio ambiente, mas as que se sustentam no cenário em que são propostas. Ou seja, as iniciativas precisam ser rentáveis.

A Feira Preta é um ótimo exemplo disso: fomentando o empreendedorismo étnico e fortalecendo a cultura negra em nosso país, a feira está fazendo 15 anos. Nesse período, ela já atraiu mais de 140 mil visitantes e movimentou mais de R$4 milhões. E há ainda mais cases interessantes pelo mundo, como você confere a seguir!

Fifteen: transformando a vida de jovens com a gastronomia

Além de chef estrelado e apresentador, Jamie Oliver é também um empreendedor social. Em 2002, ele iniciou o Fifteen, um restaurante que oferece novas oportunidades de carreira para jovens em situação de risco por meio da arte da gastronomia. Todo o lucro do empreendimento é reinvestido no programa de aprendizes.

O restaurante exerceu impactos positivos: até 2012, ele já havia formado mais de 200 jovens com ensinamentos sobre culinária e hospitalidade, e tem sido um veículo importante na divulgação da culinária local.

A Gente Transforma: design de impacto socioambiental

O arquiteto Marcelo Rosenbaum, junto de um time multidisciplinar de pesquisadores, criou o A Gente Transforma. O instituto pretende transformar comunidades com o design, resgatando a cultura dos povos de nosso país para construir um futuro sustentável.

Uma das comunidades impactadas pelo projeto foi Várzea Queimada (Piauí), um dos locais com menores índices de desenvolvimento humano do Brasil.

A comunidade, repleta de artesãos que têm uma relação próxima com a natureza, fabricava cestos com palha de carnaúba. Com o projeto criado por Rosenbaum, os cestos ganharam status de peças de design.

O instituto A Gente Transforma gerencia também o relacionamento com as comunidades e zela para que os direitos de propriedade intelectual e repartição de benefícios sejam respeitados. Isso facilita a articulação de parcerias com os setores público e privado.

O que um projeto precisa ter para ser enquadrado nessa categoria?

Em vez de delegar necessidades da sociedade para os setores público e privado, os empreendedores sociais tentam resolver o problema com mudanças no sistema e disseminando soluções. Assim, eles atuam como verdadeiros recrutadores em massa, buscando apoio para implementar sua ideia.

Se você acha que seu projeto para a comunidade pode ser estruturado como um empreendimento social, veja quais são alguns dos requisitos que você deve cumprir!

Colaboração com comunidades locais

O empreendedorismo social é fortemente entrelaçado à economia colaborativa. Se você está se propondo a resolver um problema, é preciso contar com a parceria da comunidade local, empresas e outras instituições que possam ajudá-lo na elaboração do diagnóstico e de soluções.

Verifique como a população afetada se sente em relação ao problema e à solução proposta. Convide-a a cocriar soluções, tratando-a como um agente ativo do projeto.

Soluções em larga escala

Empreendedores sociais, assim como qualquer empreendedor, precisam lidar com metas, indicadores, resultados e com a escalabilidade da solução. Por isso, é preciso elaborar um modelo de negócio escalável.

Valores sociais acima do lucro

Embora a geração de renda seja importante para sustentar o negócio, o empreendedor social se ancora no benefício para a sociedade.

Se você deseja saber mais sobre o assunto, leia também “Criando um negócio social”, de Muhammad Yunus, considerado um dos precursores dessa forma de empreender.

Você, empreendedor social, se preocupa em deixar um legado positivo para a sociedade? Siga-nos nas redes sociais e receba mais dicas para gerar impacto social com o seu empreendimento!

Sobre André Lara Resende

Idealizador e Empreendedor Social na Baanko, Professor na FDC, Consultor no BID, Presidente Voluntário do Instituto Um Pé de Biblioteca, Engenheiro Eletricista, Membro e líder de capítulo na SDSN rede da ONU para o desenvolvimento sustentável local.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *